segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Obama diz que decepção com COP 15 é 'justificável'

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta quarta-feira que a decepção de algumas pessoas com os resultados da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP 15), em Copenhague, é "justificável", mas que um "fracasso total" foi evitado.

Em uma entrevista à rede de televisão pública dos EUA, PBS, Obama afirmou que ao menos não houve grandes "retrocessos" durante a conferência.

Segundo ele, os resultados obtidos foram preferíveis ao "colapso completo" das negociações sobre as mudanças climáticas.

"Eu acho que é justificável que as pessoas estejam desapontadas com os resultados de Copenhague".

"Mas, no lugar de termos visto um colapso total, em que nada tivesse sido feito e um passo para trás tivesse sido dado, pelo menos não houve muitos retrocessos", disse o presidente americano, que, no entanto, admitiu que a conferência "não avançou do modo que precisávamos".

A cúpula, que foi finalizada na semana passada, terminou sem um acordo com valor legal ou obrigatório, com os países participantes apenas "tomando nota" (nas palavras do presidente da COP 15) a respeito da necessidade de que o aumento na temperatura global não ultrapasse os 2º C.

Acusações

As declarações de Obama foram feitas um dia depois de o governo chinês ter rejeitado as acusações do ministro do Meio Ambiente da Grã-Bretanha, Ed Miliband, de que o país teria 'sequestrado' as negociações da conferência, levando o encontro ao fracasso.

Segundo a porta-voz do governo da China, as acusações fazem parte de um "complô" de líderes que têm "intenções óbvias" de se esquivar das próprias obrigações e fomentar conflito entre os países em desenvolvimento.

A China e outros países em desenvolvimento acusam os países ricos de se recusarem a oferecer cortes significativos nas emissões de gases causadores do efeito estufa, além de não oferecerem ajuda a economias menores para lutar contra as mudanças climáticas.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Yang Jiechi, afirmou que a conferência "não foi um destino, mas um novo começo".

O acordo final da conferência foi assinado pelos EUA, Brasil, China, Índia e África do Sul, mas não tem valor legal.

A carta de intenções não foi reconhecida por representantes de diversas nações, como Sudão, Bolívia, Venezuela, Nicarágua e outras.

Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, um acordo com valor legal e obrigatório deve ser atingido no ano que vem. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,obama-diz-que-decepcao-com-cop-15-e-justificavel,486589,0.htm
Lei nacional de mudança climática recebe 3 vetos de Lula

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai sancionar, com três vetos, a Lei de Mudanças Climáticas, que fixará meta de redução de emissão de CO2 entre 36,1% a 38,9% até 2020. Os vetos, de um total de dez recomendados pelos ministérios, foram definidos em reunião entre Lula e os ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, e de Minas e Energia, Edison Lobão.
Um dos vetos, pedido pelo ministério de Minas e Energia, elimina uma determinação de o País abandonar "paulatinamente" o uso de combustíveis fósseis. "O ministério de Minas e Energia pediu para tirarmos a ideia do abandono dessas fontes, que estava no artigo 4º, inciso terceiro da lei", disse Minc, alegando que a proposta é estimular fontes limpas e não necessariamente deixar de usar por completo fontes não renováveis.

Outro veto, solicitado pela Advocacia Geral da União (AGU), consiste em dispositivo que estava previsto na lei que proibia contingenciamento de recurso para o combate a mudanças climáticas. "Essa foi uma interpretação técnica, pela qual uma lei ordinária não pode tratar de contingenciamentos ao orçamento", disse Minc.

Outro veto mais amplo afeta diversos itens do artigo 10º, principalmente um que limitava a usinas hidrelétricas de pequeno porte as políticas de estímulo governamentais. Segundo Minc, o governo também quer estimular usinas de grande porte, por isso, não cabia especificar o apoio apenas a usinas de pequeno potencial.

Segundo o ministro, a Lei de Mudanças Climáticas precisa agora de um decreto, a ser formulado pelo governo, que estabelecerá as metas específicas de redução para cada setor da economia, como mineração, transporte, agronegócio, construção civil e geração de energia. Minc disse que não há prazo específico para o decreto, mas o governo trabalhará o mais rapidamente possível para conclui-lo.

Minc também fez elogios ao papel que o Brasil desempenhou na reunião do clima em Copenhague, afirmando que foi reconhecido por todos os países "o protagonismo do Brasil". "O mundo percebeu isso por nossas metas ousadas e pela nossa posição de cobrança e até pelo compromisso de colocar dinheiro (para financiar políticas de redução de emissões)", disse Minc.

Durante a tramitação no Senado, a senadora Marina Silva (PV-AC) tentou incluir emendas para garantir que as metas brasileiras tivessem como base o ano de 2005, e não o crescimento tendencial até 2020, mas foi voto vencido.

O balanço mais recente de emissões de gases de efeito estufa no Brasil, com dados de 2000, mostra que em 15 anos as emissões nacionais cresceram 62%, saltando de 1,4 gigatonelada para 2,2 gigatoneladas de gás carbono equivalente (a medida considera todos os gases de efeito estufa).

Analise de texto:
Leitura e entendimento do texto
Questionamento dos vetos do Pres. Lula.
Opinião sobre o assunto.

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,lula-sanciona-lei-de-mudanca-climatica-com-3-vetos,487790,0.htm
http://www.estadao.com.br/especiais/mapa-da-emissao-de-carbono,19078.htm

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Estados Unidos da América


Os Estados Unidos da América são uma república federal presidencialista, composta por cinqüenta estados e um Distrito Federal. O nome do país é freqüentemente referido pelas siglas USA ou US e EUA.


A maior parte dos Estados Unidos localiza-se na região central da América do Norte, possuindo fronteiras terrestres com o Canadá e com o México, sendo que o restante do país limita-se com o Oceano Pacífico, o Mar de Bering, o Oceano Ártico, o Golfo do México e o Oceano Atlântico. Dos 50 estados, apenas o Alasca e o Havaí não são contíguos com os outros 48 Estados, nem entre si. Os Estados Unidos também possuem diversos territórios, distritos e outras possessões em torno do mundo, primariamente no Caribe e no Oceano Pacífico. Cada Estado possui um alto nível de autonomia local, de acordo com o sistema federal.

Os Estados Unidos celebram o seu dia da independência a 4 de julho de 1776, quando as Treze Colônias britânicas na América do Norte fizeram a Declaração de Independência, rejeitando a autoridade britânica, a favor da política de autodeterminação. Esta independência foi oficialmente reconhecida pelo Reino Unido no Tratado de Paris. Os Estados Unidos adotaram sua atual Constituição em 1789, que estabeceu a estrutura básica do governo americano. Desde então, a nação gradualmente desenvolveu-se, tornando-se uma superpotência após o fim da Segunda Guerra Mundial, passando a exercer grande influência econômica, política, científica, tecnológica, militar e cultural no mundo.
DADOS PRINCIPAIS

Área: 9.372.614 km²
Capital: Washington DC
População: 300 milhões (estimativa 2006)
Moeda: dólar norte-americano ( USD )
Nome Oficial : Estados Unidos da América ( United States of America ).
Nacionalidade: norte-americana ou estadunidense
Data Nacional: 4 de julho ( Dia da Independência dos Estados Unidos ).
Hino: HINO DOS ESTADOS UNIDOS

GEOGRAFIA DOS ESTADOS UNIDOS (Física e Humana)

Mapa: Mapa dos Estados Unidos
Divisão Administrativa: 50 estados e uma capital federal (Washington DC)
Localização: centro da América do Norte
Fuso Horário: - 2 horas em relação à Brasília
Clima dos Estados Unidos : temperado continental (L), subtropical (SE), de montanha (centro e Montanhas Rochosas), árido tropical (SO), mediterrâneo (costa O), árido frio (NO).
Cidades dos Estados Unidos (principais): Nova Iorque, Los Angeles; Chicago, Houston, Filadélfia, Washington DC, São Francisco, Miami, Detroit.
Estados dos Estados Unidos: Alabama, Alasca, Arizona, Arkansas, Califórnia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Colorado, Connecticut, Dacota do Norte, Dacota do Sul, Delaware, Flórida, Geórgia, Havaí, Idaho, Illinois, Indiana, Iowa, Kansas, Kentucky, Luisiana, Maine, Maryland, Massachusetts, Michigan, Minnesota, Mississípi, Missouri, Montana, Nebrasca, Nevada, Nova Hampshire, Nova Iorque, Nova Jérsei, Novo México, Ohio, Oklahoma, Oregon, Pensilvânia, Rhode Island, Tennessee, Texas, Utah, Vermont, Virgínia, Virgínia Ocidental, Washington, Wisconsin, Wyoming.
Composição da População: euramericanos 84%, afro-americanos 12%, asiáticos 3%, ameríndios 1% (1996) (censo de 1996).
Densidade Demográfica: 31 hab./km2.
Crescimento Demográfico: 0,8% ao ano (1995 a 2000).

CULTURA E DADOS SOCIAIS

Idioma: inglês (oficial).
Religião: cristianismo 85,3% (protestantes 57,9%, católicos 21%, outros cristãos 6,4%), judaísmo 2,1%, islamismo 1,9%, sem filiação 8,7%, outras 2% (em 1995).
Taxa de Analfabetismo: menor do que 5% (censo de 2000).
IDH: 0,956 (2008)

ECONOMIA DOS ESTADOS UNIDOS :

Produtos Agrícolas: tabaco, milho, soja, sorgo, batata, beterraba, trigo, outros cereais.
Pecuária: : bovinos, suínos, aves.
Mineração: petróleo, gás natural, carvão, minério de ferro, minério de cobre, alumina, prata, urânio.
Indústria: equipamentos de transporte, alimentícia, máquinas, química, metalúrgica, gráfica e editorial.
Renda per capita: US$ 47.500 ( estimativa 2008).


http://www.suapesquisa.com/paises/eua/
http://www.worldmapfinder.com/Pt/North_America/United_States/

CHINA

A China é um país autônomo, com leis e governo próprio, no entanto, para facilitar a administração do extenso território, o país é dividido em províncias, em outros países essa denominação pode mudar, como é o caso do Brasil e dos Estados Unidos que chamam de Estado, ou mesmo na Rússia que é denominado de República.

O território chinês é dividido em vinte três províncias, cinco regiões autônomas, quatro cidades administrativas e duas zonas administrativas.


DADOS PRINCIPAIS

ÁREA: 9.536.499 km²
CAPITAL: Pequim
POPULAÇÃO: 1,306 bilhão (estimativa 2005)
MOEDA: Iuan
NOME OFICIAL: REPÚBLICA POPULAR DA CHINA ( Zhonghua Renmin Gongheguo ).
NACIONALIDADE: chinesa
DATA NACIONAL: 1 e 2 de outubro (Dia da Pátria, Proclamação da República Popular da China).
LOCALIZAÇÃO: leste da Ásia
FUSO HORÁRIO: + 11 horas em relação à Brasília
CLIMA DA CHINA : de montanha (O e SO), árido frio (N, NO e centro), de monção (litoral S)
CIDADES DA CHINA (PRINCIPAIS): Xangai, Pequim (Beijing), Tianjin; Shenyang, Wuhan, Guangzou (Cantão).
REGIÃO ESPECIAL ADMINISTRATIVA: Hong Kong
COMPOSIÇÃO DA POPULAÇÃO: chineses han 92%, grupos étnicos minoritários 7,5% (chuans, manchus, uigures, huis, yis, duias, tibetanos, mongóis, miaos, puyis, dongues, iaos, coreanos, bais, hanis, cazaques, dais, lis), outros 0,5% (dados de 1990).

IDIOMAS: mandarim (principal), dialetos regionais (principais: min, vu, cantonês).

RELIGIÃO: crenças populares 20,1%, budismo 8,5%, islamismo 1,4%, cristianismo 0,1%, sem filiação e ateísmo 63,9%, outras 6% (dados de 1980).

DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 136,1 hab./km2 (estimativa 2005)

CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: 0,9% ao ano (1995 a 2000)

TAXA DE ANALFABETISMO: 15% (dados de 2005).

RENDA PER CAPITA: US$ 7.204 (estimativa 2005).

ECONOMIA DA CHINA :
Produtos Agrícolas: arroz, batata-doce, trigo, milho, soja, cana-de-açúcar, tabaco, algodão em pluma, batata, juta, legumes e verduras.
Pecuária: eqüinos, bovinos, búfalos, camelos, suínos, ovinos, caprinos, aves
Mineração: carvão, petróleo, chumbo, minério de ferro, enxofre, zinco, bauxita, asfalto natural, estanho, fosforito.
Indústria: têxtil (algodão), materiais de construção (cimento), siderúrgica (aço), equipamentos eletrônicos.

http://www.suapesquisa.com/paises/china/
http://www.brasilescola.com/china/
http://www.economiabr.defesabr.com/Fotos/China_Map.gif

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Aquecimento Global

Por Reuters, reuters.com, Última atualização: 7/12/2009 12:21
Dinamarca diz que acordo climático está "ao alcance das mãos"
Por Alister Doyle e David Fogarty

COPENHAGUE (Reuters) - A maior conferência sobre o clima da história começou na segunda-feira com uma dura advertência das Nações Unidas sobre o risco de desertificação e de elevação do nível das marés e com a garantia dos anfitriões dinamarqueses de que um acordo para lidar com o aquecimento global estava "ao alcance das mãos".

Nos Estados Unidos, uma autoridade da Casa Branca disse que a Agência de Proteção Ambiental diria na segunda-feira que gases-estufa são perigosos para a saúde, o que permitiria ao governo regular as emissões sem uma ação no Congresso.

Em Copenhague, o premiê dinamarquês Lars Lokke Rasmussen disse que 110 chefes de Estado e de governo, incluindo o presidente dos EUA, Barack Obama, deveriam comparecer à cúpula que acontece entre 7 e 18 de dezembro. O evento, que também conta com 15 mil delegados de cerca de 190 países, pretende decidir sobre uma ação imediata para reduzir os gases-estufa e prover bilhões de dólares em assistência e tecnologia para as nações mais pobres.

A presença de tantos líderes significava "uma oportunidade que o mundo não pode deixar escapar", disse Rasmussen sobre a conferência. E acrescentou: "um acordo está ao alcance das mãos".

Mas as conversações terão de superar a profunda desconfiança entre países ricos e pobres na divisão do fardo de cortar as emissões dos gases-estufa, em especial provenientes da queima de combustíveis fósseis.

"O relógio zerou. Após dois anos de negociações, chegou a hora da decisão", disse Yvo de Boer, chefe do Secretariado de Mudança Climática da ONU.

Rajendra Pachauri, chefe do painel de cientistas do clima da ONU, afirmou que era necessária ação para evitar mais ciclones, ondas de calor, inundações e o possível desaparecimento do manto de gelo da Groenlândia, o que poderia levar a um aumento de 7 metros no nível dos oceanos ao longo de séculos.

Ele disse que, mesmo com a meta amplamente aceita de limitar o aquecimento global a um máximo de 2 graus Celsius para além da época pré-industrial, isso ainda poderia levar a um aumento no nível das marés "capaz de fazer submergir diversos Estados insulares pequenos e Bangladesh".

"A evidência é opressiva de que o mundo se beneficiaria enormemente com uma ação precoce e o adiamento apenas levaria a custos em termos humanos e econômicos que se tornarão cada vez mais altos", disse ele.

Os países em desenvolvimento pediram que os ricos assumam a liderança. O delegado de Papua Nova Guiné, Kevin Conrad, disse que alguns países insulares pequenos "poderão desaparecer em breve" caso nenhuma ação seja tomada. Os países africanos afirmaram que enfrentam riscos agravados de desertificação e de inundações.

A presença de líderes e as promessas de corte nas emissões feitas pelos principais emissores - liderados por China, EUA, Rússia e Índia - aumentaram as esperanças de um acordo após escasso progresso nas negociações feitas ao longo dos últimos dois anos. Os líderes mundiais não participaram do evento em que ministros do Meio Ambiente acordaram o Protocolo de Kyoto em 1997.
http://verde.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=22812490

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

03/12/2009 - 07h43
PF investiga denúncia de ataques a índios por garimpeiros em Roraima
Publicidade
LUIZA BANDEIRA
da Agência Folha

A Polícia Federal investiga denúncias de ataques a tiros contra índios ianomâmis em Roraima por garimpeiros que atuam ilegalmente em uma terra indígena do Estado.

De acordo com os índios, o ataque aconteceu no último dia 22. Segundo Morsaniel Iramari, da Hutukara Associação Ianomâmi, indígenas da comunidade Hoyamoú haviam ido até o local confirmar a existência do garimpo, alertados pela intensa movimentação de aviões e pela constatação de furto de comida na aldeia.

Quando os cinco índios chegaram perto do garimpo, um cachorro que estava com os garimpeiros latiu, denunciando a presença deles. Nesse momento, dizem os indígenas, os garimpeiros atiraram. Os ianomâmis conseguiram fugir. Segundo índios, a pista de pouso no local é de difícil localização.

A Hutukara enviou uma carta à Funai (Fundação Nacional do Índio) e à PF denunciando a agressão. Em setembro, já havia emitido ofício sobre o aumento dos garimpos na região. Para Marcos Wesley de Oliveira, da Comissão Pró-Ianomâmi do ISA (Instituto Socioambiental), isso foi causado pela recente valorização do ouro e pela ausência de fiscalização.

A PF informou que está realizando buscas, mas que até agora encontrou apenas máquinas abandonadas. Porém, segundo Iramari, os policiais ainda não foram ao local do suposto ataque, o que deve acontecer hoje.

Thaís Dias Gonçalves, da Coordenação de Fiscalização de Terras Indígenas da Funai, disse que operação realizada pela PF e pelo Exército no local há dois meses constatou presença "mínima" de garimpo. Segundo ela, equipes do órgão sobrevoarão a área em janeiro para averiguar a situação.

Segundo Oliveira, a agressão por garimpeiros, se confirmada, marca a continuação de uma história de violência na relação entre os grupos. Ele afirma que, após a entrada dos garimpeiros, cerca de 15% da população ianomâmi morreu, devido a doenças e a conflitos. Também lembra que, em 1993, 16 ianomâmis foram mortos na região. Após o episódio, cinco garimpeiros foram condenados pelas mortes.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u660971.shtml

"Índio do Buraco", que vive sozinho em área da Funai, é alvo de tiros
Grupo indígena acusa PM de violência em ação de despejo
Milícia indígena pede aval do Ministério Público para usar armas

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Trabalhando com música

Verde

Composição: Eduado Gudin e J. C. Costa Netto

Quem pergunta por mim
Já deve saber
Do riso no fim
De tanto sofrer
Que eu não desisti
Das minhas bandeiras
Caminhos, trincheiras da noite

Eu que sempre apostei
Na minha paixão
Guardei um país
No meu coração
Um foco de Liz
Seduz a razão
De repente a visão da esperança!
Quis este sonhador
Aprendiz de tanto suor
Ser feliz num gesto de amor
Meu país acendeu a cor

Verde as matas no olhar
Ver de perto
Ver de novo um lugar
Ver adiante
Sede de navegar
Verdejantes tempos
Mudança dos ventos no meu coração

Professor você pode trabalhar com História e "explorar" cada verso dessa música.

Trabalhando com música

Mira Ira

Composição: Lula Barbosa e Vanderlei de Castro

Mira num olhar
Um riacho, cacho de nuvem
No azul do céu a rolar...
Mira Ira, raça tupi,
Matas, florestas, Brasil.
Mira vento, sopra continente,
Nossa América servil,
Mira vento, sopra continente,
Nossa América servil...
Mira num olhar,
Um riacho, cacho de nuvem
No azul do céu a rolar...
Mira ouro, azul ao mar,
Fonte, forte de esperança,
Mira sol, canção, tempestade, ilusão,
Mira sol, canção, tempestade,
Ilusão...
Mira num olhar
Verso frágil tecido em fuzil,
Mescla morena,
Canela, cachaça, bela raça, Brasil.
Anana ira,
Mira ira anana tupi
Anana ira, anana ira
Mira Ira

Responda:

Analise os versos e escreva os fatos geográficos.
Dê sua opinião sobre a letra da música.

Trabalhando com música

A Celebration - U2

I gotta go!
I believe in a celebration
I believe we can be free.
I believe you can loose these chains
I believe you can dance with me, dance with me.
Shake! Shake!
Shake! Shake!

I believe in the Third World War
I believe in the atomic bomb.
I believe in the powers-that-be
But they won't overpower me.

And you can go there too,
And you can go, go, go, go!
Shake! Shake!
Shake! Shake!

And we don't have the time
And everything goes round and round
And we don't have the time
To watch the world go tumbling down.
I believe in the bells of Christchurch
Ringing for this land.
I believe in the cells of Mountjoy
There's an honest man.

And you can go there too, etc.

I believe in the walls of Jericho
I believe they're coming down.
I believe in this city's children
I believe the trumpet's sound.

And you can go there too, etc.

Tradução

A Celebration - U2

Eu vou!
Eu creio em uma celebração
Eu creio que nós podemos ser livres.
Eu creio que você pode soltar estas cadeias
Eu creio que você pode dançar comigo, dance comigo.
Trema! Trema!
Trema! Trema!

Eu creio na Terceira guerra mundial
Eu creio na bomba atômica.
Eu creio no poder-que-seja
Mas eles não me dominarão.

E você pode ir lá também,
E você pode ir, vá, vá, vá!
Trema! Trema!
Trema! Trema!

E nós não temos o tempo
E tudo vai em volta e em volta
E nós não temos tempo
Para assistir o mundo ir e se cai abaixo.
Eu creio nos sinos de igreja de Cristo
Soando para esta terra.
Eu creio nas celas de Mountjoy
Há um homem honrado.

E você pode ir lá também, etc.

Eu creio nos muros de Jericó
Eu creio que eles estão vindo abaixo.
Eu creio nas crianças desta cidade
Eu creio no som da trombeta.

E você pode ir lá também, etc.

Professor aí vai uma sugestão de trabalho interdiplinar: com Português, Inglês, História e Geografia.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Trabalhando com música

Planeta Água

Guilherme Arantes

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...

Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...

Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos...

Água dos igarapés
Onde Iara, a mãe d'água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão...

Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris
Sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes, são lágrimas
Na inundação...

Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...

Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...(2x)

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...

Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...


Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...

Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...(2x)

Responda:
Descreva o momento que o autor cita a nascente de um rio.
Cite os versos que descrevem o ciclo da água.
Descreva os versos grifados.

(Professor, você pode levar a música gravada e a letra para a sala de aula e cantar com seus alunos, após, eles podem responder as questões sugeridas)

Trabalhando com música

A Cidade e a Neblina

Guilherme Arantes


Na neblina a cidade amanheceu
Sonolenta como os últimos boêmios
E os primeiros trabalhadores matinais
Com seus gorros, capotões e cachecóis

A neblina dá uma certa imprecisão
A paisagem fica sem definição
As capelas e os velhos casarões
Na neblina ficam sobrenaturais

Qual, qual de vocês não acha belo
Quando ela desce
Quando ela deixa tudo translúcido?


Na neblina os rochedos pelo mar
São terríveis para quem fôr navegar
O aeroporto, então, acende os faróis
E não sobem, e não descem aviões.

Qual, qual de vocês não acha belo
Quando ela desce,
Quando ela deixa tudo translúcido?

Responda:
Qual a estação do ano citada na música?
Pesquise sobre as formas de precipitação atmosférica, além da neblina.
Explique o refrão da música.

(Professor, você pode levar a música gravada e a letra para a sala de aula e cantar com seus alunos, após, eles podem responder as questões sugeridas)

Trabalhando com música

Aquarela Brasileira

Composição: Silas de Oliveira

Vejam essa maravilha de cenário
É um episódio relicário
Que o artista num sonho genial
Escolheu para este carnaval
E o asfalto como passarela
Será a tela do Brasil em forma de aquarela
Caminhando pelas cercanias do Amazonas
Conheci vastos seringais
No Pará, a ilha de Marajó
E a velha cabana do Timbó
Caminhando ainda um pouco mais
Deparei com lindos coqueirais
Estava no Ceará, terra de Itapuã
De Iracema e Tupã
E fiquei radiante de alegria
Quando cheguei na Bahia
Bahia de Castro Alves, do acarajé
Das noites de magia, do candomblé
Depois de atravessar as matas do Ipú
Assisti em Pernambuco
A festa do frevo e do maracatu
Brasília tem o seu destaque
Na arte, na beleza, arquitetura
Feitiço de garoa pela serra
São Paulo engrandece a nossa terra
Do leste, por todo o Centro-Oeste
Tudo é belo e tem lindo matiz
No Rio dos sambas e batucadas
Dos malandros e mulatas
De requebros febris
Brasil, essas nossas verdes matas
Cachoeiras e cascatas
De colorido sutil
E este lindo céu azul de anil
Emoldura em aquarela o meu Brasil


Responda:
Quais estados brasileiros são citados na música?
Quantas e quais regiões são citadas?
Relacione os estados e características de cada um, citados na música.
Que região Não é citada?

(Professor, você pode levar a música gravada e a letra para a sala de aula e cantar com seus alunos, após, eles podem responder as questões sugeridas)

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

CHINA ATUAL

História da China Antiga e China Atual

Informações sobre a China, população chinesa, economia da China atual.

A República Popular da China situa-se na parte leste da Ásia. A China, terceiro maior país do mundo depois da União Soviética e do Canadá, é limitada ao norte pela Mongólia e pela União Soviética, a leste pela União Soviética, Coréia do Norte, mar Amarelo e mar da China Oriental; ao sul pelo mar da China do Sul, pelo Vietnã do Norte, Laos, Birmânia, Índia, Butão, Silkim, Nepal e Paquistão Ocidental; a oeste pelo Afeganistão e União Soviética.
Dois terços da China são montanhosos ou semidesérticos. A sua parte oriental é formada por férteis planícies e deltas. Há ilhas, sendo que a maior delas é Hainan, na costa meridional. Os rios principais são: Amarelo, Amur e Yu.
A China tem uma área de 9.596.961 Km2 e uma população superior a 1.300.000.000 de habitantes. Sua capital é Pequim. São cidades principais: Xangai, Pequim, Tientsin, Luta, Shenyang, Cantão, Wuhan, Harbin, Sain. 94% dos chineses são han e 11% de chuangs.
A agricultura é a base da economia. Os chineses plantam arroz, trigo, cevada, soja, painço, algodão, chá e tabaco. Há também grandes reservas de carvão, ferro, cobre, chumbo e outros minerais.
A história da China tem mais de quatro mil anos. Ela teve uma das civilizações mais velhas do mundo e, durante a Idade Média, a ciência e as artes chinesas eram mais avançadas do que as européias. Os chineses in­ventaram o papel, a impressão, a pólvora, e tinham grande talento para a poesia, pintura, teatro e cerâmica. Depois, sua grandeza caiu, e por muitos anos sofreu a pobreza, as revoluções e as guerras.

Características da economia chinesa:

- A China entrou, a partir da década de 1990, na economia de mercado, ajustando-se ao mundo globalizado;
- A China é o maior produtor mundial de alimentos: 500 milhões de suínos, 450 milhões de toneladas de grãos;
- É o maior produtor mundial de milho e arroz;
- Agricultura mecanizada, gerando excelentes resultados de produtividade;
- Aumento nos investimentos na área de educação, principalmente técnica;
- Investimentos em infra-estrutura com a construção de rodovias, ferrovias, aeroportos e prédios públicos. Construção da hidrelétrica de Três Gargantas, a maior do mundo, gerando energia para as indústrias e habitantes;



- Investimentos nas áreas de mineração, principalmente de minério de ferro, carvão mineral e petróleo;
- Controle governamental dos salários e regras trabalhistas. Com estas medidas as empresas chinesas tem um custo reduzido com mão-de-obra (os salários são baixos), fazendo dos produtos chineses os mais baratos do mundo. Este fator explica, em parte, os altos índices de exportação deste país.
- Abertura da economia para a entrada do capital internacional. Muitas empresas multinacionais, também conhecidas como transnacionais, instalaram e continuam instalando filiais neste país, buscando baixos custos de produção, mão-de-obra abundante e mercado consumidor amplo.
- Incentivos governamentais e investimentos na produção de tecnologia.
- Participação no bloco econômico APEC (Asian Pacific Economic Cooperation), junto com Japão, Austrália, Rússia, Estados Unidos, Canadá, Chile e outros países;
- A China é um dos maiores importadores mundiais de matéria-prima.
- No primeiro trimestre de 2009, o PIB da China cresceu 6,1 %. Este dado significou o pior crescimento econômico da economia chinesa desde 1992. Demonstrou que, apesar do crescimento, a economia chinesa foi fortemente afetada pela crise mundial.

Problemas da China
Embora apresente todos estes dados de crescimento econômico, a China enfrenta algumas dificuldades.
-Grande parte da população ainda vive em situação de pobreza, principalmente no campo.
-A utilização em larga escala de combustíveis fósseis (carvão mineral e petróleo) tem gerado um grande nível de poluição do ar.
-No território chinês, 70 % dos rios estão contaminados, e o gelo do Himalaia derrete constantemente, enquanto que os desertos do norte ameaçam comunidades que totalizam 400 milhões de pessoas.
-Os salários, controlados pelo governo, coloca os operários chineses entre os que recebem uma das menores remunerações do mundo.

De 2002 a 2007, a cidade de Linfe, pertencente à província de Shanxi, foi considerada a cidade mais poluída do mundo. Linfe é umas das imagens negativas do crescimento econômico chinês, que se desenvolve longe das bases sustentáveis de produção.


Mesmo assim, o crescimento chinês apresenta um ritmo alucinante, podendo transformar este país, nas próximas décadas, na maior economia do mundo.


http://www.tg3.com.br/historiadachina/
http://engenhariacivil.wordpress.com/2007/05/25/barragem-de-three-gorge/
http://www.infoescola.com/geografia/poluicao-na-china/

sábado, 14 de novembro de 2009

União Européia

Daniel Buarque (Do G1, em São Paulo)

União Europeia implementa o Tratado de Lisboa para reciclar sua Constituição

Integração pode ser exemplo para Mercosul e Nafta, dizem pesquisadores.
Brasil deve continuar negociando acordos diretamente com cada país.

(http://europa.eu/abc/european_countries/index_pt.htm)


Depois de dar um passo para trás por causa da rejeição popular à proposta de adoção de uma Constituição, em 2005, a União Europeia vai voltar a avançar em sua integração a partir do próximo mês, com a implementação do Tratado de Lisboa.

Por mais que este projeto não traga nenhuma mudança drástica na estrutura e organização do grupo dos 27 países do continente, ele pode ser visto como um avanço quase equivalente ao revés de quatro anos atrás, segundo analistas ouvidos pelo G1, pois o tratado repete pelo menos 90% da proposta da Constituição. E a maior mudança é simplesmente o nome.


Entenda o Tratado de Lisboa

O documento prevê muitas reformas do bloco, entre elas:

A nomeação de um político para o cargo de presidente do Conselho Europeu com mandato de dois anos e meio, em substituição ao atual sistema em que países se revezam na presidência rotativa por seis meses. A criação de um novo posto combinando os atuais cargos de chefe de política externa da União Europeia - ocupado atualmente por Javier Solana - e comissário de assuntos internacionais - ocupado por Benita Ferrero-Valdner, para dar à UE maior força no cenário mundial. A redistribuição do peso dos votos entre os Estados membros, a ser adotada em fases entre os anos de 2014 e 2017. Novos poderes para a Comissão Europeia, Parlamento Europeu e Corte Europeia de Justiça, no campo da Justiça e assuntos domésticos, por exemplo. A remoção de vetos nacionais em algumas áreas. Por que o Tratado de Lisboa não está sendo considerado uma "Constituição" da União Europeia?

Houve o plano de aprovar uma Constituição da União Europeia, que iria substituir todos os tratados europeus anteriores e começar do zero.

O Tratado de Lisboa, porém, é apenas uma emenda ao Tratado que criou a União Europeia (o de Maastricht) e o Tratado de Estabelecimento da Comunidade Europeia (de Roma).

O novo tratado também não faz referências aos símbolos da UE - a bandeira, o hino e o lema - apesar de eles continuarem a existir.

Quanto tempo foi necessário para que os países concordassem com o tratado?

A declaração publicada na cúpula europeia de Laeken, em 2001, pedia a criação de uma Convenção sobre o futuro da Europa para analisar a simplificação e reorganização dos tratados europeus e perguntava se o resultado final deveria ser uma constituição.

A Convenção começou a trabalhar em fevereiro de 2002 e a constituição foi assinada em Roma dois anos e meio depois, em outubro de 2004. Mas o texto ficou obsoleto depois de ser rejeitado pelos eleitores franceses e holandeses em 2005.

A UE começou a trabalhar num tratado que substituísse a constituição no primeiro semestre de 2007, sob a presidência rotativa da Alemanha, e um acordo sobre os principais pontos foi alcançado durante uma cúpula em junho do mesmo ano.

As negociações continuaram nos bastidores durante os meses seguintes, até que os líderes dos 27 países membros concordaram com um esboço final em outubro de 2007.

Por que o plano de uma Constituição europeia foi abandonado?

A França e a Holanda disseram que não poderiam adotar a constituição sem mudanças significativas, depois de sua rejeição em referendos em 2005.

O Reino Unido também pressionou por um "tratado com emendas" que poderia ser ratificado por meio de uma votação parlamentar, como os antigos tratados do bloco.
http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1364805-5602,00-ENTENDA+O+TRATADO+DE+LISBOA.html

“A constituição soava como um documento nacional, não como algo de uma organização intergovernamental. O Tratado de Lisboa traz quase todas as mesmas mudanças da constituição, mas com um nome diferente. Pode parecer uma questão trivial, mas é claramente um dos principais problemas”, explicou, em entrevista ao G1, o professor da Universidade Creighton, nos EUA, Stephen C. Sieberson, que pesquisou o tratado e é autor do livro "Dividing lines between the European Union and Its member states: The impact of the treaty of Lisbon" (Linhas divisórias entre a União Europeia e seus estados membros: O impacto do Tratado de Lisboa).

Segundo ele, a substância do tratado é 99% igual à da constituição. O problema é que a União Europeia está dividida em dois grupos: os federalistas, que preferem ter um governo mais central, um “superestado”, com modelo semelhante ao dos Estados Unidos; e os intergovernamentalistas, palavra complexa para designar o grupo que insiste que as nações continuem totalmente soberanas, mantendo a UE como uma organização intergovernamental. Este segundo grupo, capitaneado pelo Reino Unido, fez forte oposição ao termo constituição. Para Sieberson, os que buscam uma maior integração, mesmo que não necessariamente uma “federação”, saíram-se vencedores com o Tratado de Lisboa. “Ele traz as mudanças necessárias para que a EU não fique estagnada, mas possa evoluir.

Especialista em integração europeia, o professor David Phinnemore, da Universidade de Belfast, na Irlanda do Norte, discorda. Para ele, os intergovernamentalistas se saíram muito bem com o tratado, pois ele reitera a centralidade dos países membros na UE.

“Ele nos lembra que se trata de uma organização internacional com base nos Estados, que podem dar e tirar o poder da UE. Pode parecer que a Europa está se aproximando de um formato mais federalista, mas o poder, especialmente em relações internacionais, continua nas mãos dos países individualmente”, disse, em entrevista por telefone. Para Phinnemore, o Tratado de Lisboa é “apenas” 90% igual à constituição, e houve uma mudança na linguagem que vai além do nome.

Os dois concordam, entretanto, na ausência de efeitos práticos e imediatos advindos da implementação. “O tratado cria oportunidades para uma maior integração, mas não garante que essas oportunidades serão aproveitadas, pois isso vai depender das negociações que vão surgir a partir dele. A aproximação recente entre os países da UE foi maior e mais rápida do que se esperava, mas não é possível saber como vão evoluir a partir de agora”, disse Pinnemore.

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1378682-5602,00-UNIAO+EUROPEIA+IMPLEMENTA+O+TRATADO+DE+LISBOA+PARA+RECICLAR+SUA+CONSTITUICA.html

Análise de texto:
1. O que é União Européia?
2. O que é o Tratado de Lisboa?
3. Qual a importância da UE para o mundo?
4. Por que a integração da UE pode servir de exemplo para o Mercosul e o Nafta?
5. Dê sua opinião sobre o texto.

Água na Lua

14 de novembro de 2009 | Zero Hora, on Line

MOMENTO HISTÓRICO

Sonda da Nasa confirma existência de água na Lua

Descoberta da agência pode viabilizar, no futuro, a construção de uma base permanente no satéliteEm um anúncio histórico para a ciência, a Nasa – a agência espacial dos EUA – confirmou ontem a existência de água na Lua. A notícia é especialmente importante porque pode viabilizar, em um futuro não muito remoto, um velho sonho: a construção de uma base permanente no satélite.
Não é a primeira vez que cientistas encontram água na Lua, mas nunca foram tão incisivos sobre a descoberta. Conforme a Nasa, foi localizada uma “importante” quantidade de água, em sua forma congelada, na cratera Cabeus, no polo Sul do satélite. A façanha é resultado direto do choque proposital da sonda Lunar Crater Observation and Sensing Satellite (LCROSS) contra a superfície lunar, no dia 9 de outubro. A agência espacial acreditava que havia água congelada no fundo da cratera, onde a temperatura chega a até 240ºC negativos. Os primeiros dados surpreenderam os cientistas: a água existia em quantidade maior do que se desconfiava.

– Estamos revelando os mistérios de nosso vizinho mais próximo e, por extensão, do Sistema Solar – declarou Michael Wargo, cientista-chefe lunar na sede da Nasa em Washington.

– Estamos muito entusiasmados. Os resultados dos testes mostram que havia água presente tanto no vapor que se elevou em ângulo alto quanto no material projetado em ângulo mais baixo – acrescentou Anthony Colaprete, cientista do LCROSS e principal pesquisador do Centro de Pesquisa da Nasa em Moffet Field, na Califórnia.

A LCROSS filmou, por quatro minutos, o impacto da colisão do foguete Centauro contra Cabeus. Depois de transmitir os dados para a Terra, a própria sonda foi atirada contra o mesmo local. O impacto criado pelo foguete Centauro criou um volume de material em duas partes a partir da base da cratera. A primeira parte era composta de vapor e poeira fina, e a segunda, de materiais mais pesados.

O grupo de pesquisa utilizou conhecidas “assinaturas” espectrais infravermelhas da água e de outros materiais e as comparou com o espectro próximo ao infravermelho coletado para a verificação. A descoberta mostra ainda que a água deve estar melhor distribuída pelo satélite do que se suspeitava.

Recentemente, a sonda indiana Chandrayaan-1 já havia detectado uma fina camada de água oculta nos primeiros milímetros do solo lunar, que poderia suprir uma base.


Moffett Field, Califórnia

Análise de texto:
1- Analise a frase em negrito. E escreva sua conclusão sobre o assunto.
2- Dê sua opinião sobre essa grande descoberta.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Sismicidade Brasileira


A idéia propagada por muito tempo de um Brasil essencialmente estável, livre da ocorrência de terremotos é errônea. A sismicidade brasileira é modesta se comparada a da região andina, mas é significativa porque aqui já ocorreram vários tremores com magnitude acima de 5,0 indicando que o risco sísmico em nosso país não pode ser simplesmente ignorado.
Dezenas de relatos históricos sobre abalos de terra sentidos em diferentes pontos do país e eventos como o do Ceará (1980/mb=5.2) e a atividade de João Câmara,RN (1986/mb=5.1) mostram que os sismos podem trazer danos materiais, ocasionar transtornos à população e chegar, em alguns casos, a levar pânico incontrolável às pessoas.
Afortunadamente, tremores maiores como o de Mato Grosso (1955/mb=6.6), litoral do Espirito Santo (1955/mb=6.3) e Amazonas (1983/mb=5.5) ocorreram em áreas desabitadas.
Mas os terremotos podem surgir a qualquer momento e em qualquer lugar. Assim, não é impossível que algum dia um sismo de conseqüências graves acabe por atingir uma cidade brasileira. A sismologia ainda não consegue predizer com sucesso os terremotos, eles podem acontecer a qualquer hora  e lugar.

Este mapa contém dados sobre tremores de terra, com magnitude 3.0 ou mais, ocorridos no Brasil, desde a época da colonização, até 1996. As informações mais antigas, indicadas por triângulos, são chamadas históricas, e foram obtidas após um longo e minucioso trabalho de pesquisa em bibliotecas, livros, diários e jornais. O livro “Sismicidade do Brasil” de J.Berrocal et all,1984, contém detalhes destas informações.
Os dados epicentrais, indicados por círculos, são relativamente mais novos e foram obtidos por equipamentos sismográficos.
 
Por que são poucos e normalmente pequenos os  tremores de terra no Brasil
A teoria da Tectônica de Placas ensina que as regiões onde acontecem mais terremotos correspondem as bordas ou limites das placas e, no interior das mesmas, a sismicidade é relativamente mais branda, porque o acúmulo de esforços, que acaba produzindo o terremoto ocorre de forma mais lenta. Neste contexto, o Brasil teve a “sorte” de situar-se praticamente no interior da Placa Sul-Americana, distante de seus bordes leste e oeste, respectivamente representados pela Cadeia Meso-Atlântica e a zona de subducção da faixa andina.
Comparativamente, o Acre é o estado que apresenta o maior nível de atividade, tanto em número quanto no tamanho dos sismos, mas sua origem é distinta da sismicidade do restante do país. Para explicar este fato é preciso considerar que, o movimento relativo entre a Placa de Nazca, que mergulha por debaixo da Placa Sul-Americana, produz constantes terremotos cujos focos vão se aprofundando da costa do Pacífico, em direção ao interior do continente (veja o texto sobre Tectônica de Placas). Na área correspondente ao limite entre o Perú e o estado do Acre, os terremotos acontecem a grandes profundidades e, mesmo os de maiores magnitudes, têm seus efeitos na  superfície do terreno.
A grande parte dos sismos brasileiros é de pequena magnitude (   4.5). Comumente eles ocorrem a baixa profundidade (   30 km) e, por isso, são sentidos até poucos quilômetros do epicentro. Este é, quase sempre, o padrão de sismicidade esperado para regiões de interior de placas. No entanto, a história tem mostrado que, mesmo nestas “regiões tranquilas”, podem acontecer grandes terremotos. O leste dos Estados Unidos, com nível de atividade sísmica equivalente a do Brasil, foi surpreendido, no século passado, pela ocorrência de super-terremotos  com magnitudes em torno de 8.0.
É preciso investigar regiões intra-placas com maior detalhe em nível global. Pouco se sabe, ainda, sobre o estado de esforços nestas áreas. Considerando que nelas, são mais longos os períodos de recorrência de grandes terremotos, as regiões intra-placas se tornam, também, áreas potencialmente perigosas para sismos catastróficos.
http://www.unb.br/ig/sis/sisbra.htm
Pangéia- O super continente (Prof Sílvio)
A Terra tem a idade geológica calculada entre 4,5 e 5 bilhões de anos. A geologia, ciência que se dedica ao estudo do planeta, divide a idade geológica em eras, épocas, períodos, idades e fases. No início a Terra apresentava sobre a sua superfície um material derretido quente, muito quente, formado em grande parte por ferro, níquel e outros metais pesados, que com o decorrer do tempo foram se concentrando em seu núcleo. Há cerca de 3,9 bilhões de anos, o resfriamento permitiu a solidificação das rochas, dando origem a uma camada sólida externa sobre a superfície terrestre, que é a crosta.
Até o começo do século 20, era consenso entre os cientistas de que, desde que a superfície terrestre se solidificou, os continentes estiveram sempre na mesma posição em que estão até hoje. No entanto evidências científicas mostraram que isto não é verdade.
Após estudar muito o assunto o meteorologista alemão Alfred L. Wegener lançou uma hipótese diferente, afirmando que, no passado (200 milhões de anos ) os continentes formavam um único bloco, denominado de Pangéia e um só imenso oceano, Pantalassa. Em virtude das forças internas da terra a Pangéia teria sido dividida por um longo braço de mar, dando origem a duas grandes massas continentais: Gondwana.e.Laurásia.
Gondwana ao sul, abrangeria as atuais áreas da América do Sul, Índia, África, Nova Zelândia, Austrália, Antártida, Madagascar, além do Sri Lanka. Laurásia, ao norte, incluiria as da América do Norte,Groenlândia,Ásia.e.Europa. No período Cretáceo (136 a 65 milhões de anos atrás) este teria se dividido em várias partes, inclusive tendo se deslocado até atingir a configuração atual. Esta hipótese de Wegener é denominada hipótese da Deriva Continental.

Evidências
Wegener alegava que uma das evidências de que os continentes poderiam ter se separado estaria no próprio contorno deles. Comparando a costa da América do Sul com a África você pode observar que os dois continentes são complementares. Além da semelhança entre os dois continentes existem outros indícios.
· Há sinais de uma gigantesca glaciação ocorrida há uns 250 milhões de anos e esses sinais são encontrados em todas as áreas terrestres do hemisfério sul atual, como no Brasil, na África e na Índia. Indicando que estes continentes estiveram unidos no passado e sujeito as mesmas condições climáticas.
· O fóssil do pequeno réptil Mesossauro encontrado no Brasil e na África é uma explicação de que os continentes estiveram juntos.
· Brasil e África têm ainda rochas sedimentares iguais, isto é, rochas que foram depositadas entre 350 milhões e 150 milhões de anos atrás.
· Há cerca de 300 milhões de anos, florestas substituíram o gelo e originaram depósitos de carvão. No sul do Brasil e da África, a Austrália e a Índia existem depósitos de carvão com a mesma idade.
· Novas provas vieram do mar, com a invenção do submarino e a eclosão da Segunda Guerra Mundial , neste período era importante do ponto de vista militar conhecer o fundo do mar. Descobriu-se grandes elevações e depressões da crosta terrestre no fundo do oceano, algumas dessas depressões chegam a atingir 11 mil metros de profundidade onde há uma intensa atividade tectônica alterando a posição dos continentes.

Placas que se movem (Teoria da Tectônica de Placas)
Hoje sabe-se que a superfície terrestre não é fixa, e sim estamos sobre placas (continentes) que flutuam sobre.o.magma. Portanto a teoria desenvolvida por Alfred Wegener, a teoria de Tectônica de Placas ou da Translação dos Continentes, é que explica a movimentação dos continentes flutuando sobre o magma. A Teoria afirma que continentes ou terras emersas flutuam sobre magma ou astenosfera. Em razão dos movimentos tectônicos, a placa Sul-americana afasta-se da Africana a velocidade de 2 cm por ano. Verifica-se também um afastamento entre a África e a Ásia, na região da península arábica, com a tendência do mar Vermelho aumentar de largura, originando um oceano. Além disso, as zonas sísmicas ou de terremotos e de vulcanismo encontram-se na faixa de contato entre as placas que são áreas de instabilidade.geológica.

Responda:
1- Explique a teoria de Wegener, sobre a origem dos continentes.
2- Segundo Wegener, Gondwana englobaria quais áreas territoriais?
3- Quais as evidências que explicariam a teoria de Wegener?
4- Explique a teoria das placas tectônicas.

Vulcanismo

O vulcanismo consiste nos processos pelos quais o magma e os gases a ele associados ascendem, a partir do interior da Terra, à superfície da crosta terrestre incluindo a atmosfera. O ramo da Geologia que se dedica ao estudo do Vulcanismo designa-se por Vulcanologia. O termo que está na origem destas palavras é Vulcão. É uma palavra de origem Latina, Vulcano o deus do fogo.
Entendemos por Vulcão uma abertura (respiradouro) na superfície da crosta terrestre, através da qual se dá a erupção do magma, dos gases e das cinzas associadas. Do mesmo modo, a estrutura, geralmente com a forma cônica, que é produzida pelas sucessivas emissões de materiais magmáticos, é nomeada por Vulcão. Em termos gerais, a estrutura vulcânica que forma um vulcão é designada por aparelho vulcânico. Existem diferentes tipos (logo diferentes classificações) de vulcões, resultando daí diferentes configurações dos aparelhos vulcânicos, contudo estes são, normalmente, constituídos pelas seguintes partes: 1) câmara magmática, local onde se encontra acumulado o magma, normalmente situado em regiões profundas da crosta continental e oceânica, atingindo, por vezes, a parte superior do manto, 2) chaminé (principal) vulcânica, canal, fenda ou abertura que liga a câmara magmática com o exterior da crosta, e por onde ascendem os materiais vulcânicos, 3) cratera, abertura ou depressão mais ou menos circular, em forma de um funil, localizada no topo da chaminé vulcânica, 4) cone vulcânico, elevação de forma cônica que se forma por acumulação dos materiais expelidos do interior da crosta (lavas, cinzas e fragmentos de rochas), durante a erupção vulcânica. Para além da chaminé vulcânica, a maioria das vezes, existem outras condutas, denominadas por filões. Também se podem formar cones laterais, secundários ou adventícios ao cone vulcânico principal.

Abalos Sísmicos

As vibrações que se originam nas profundezas da Terra e se propagam até sua superfície são chamadas de terremotos ou abalos sísmicos. Elas resultam de rupturas nas rochas por compressão ou tração na crosta terrestre. Essas falhas geológicas provocam ondas sísmicas que se propagam pelas camadas do planeta, do seu hipocentro (ponto onde se inicia o terremoto) até o epicentro (ponto da superfície onde o terremoto se manifesta). Além das falhas, a atividade vulcânica também podem provocar abalos.

A maior parte dos tremores ocorre nos limites das faixas que compõem a crosta da Terra. Como elas estão dispostas sobre uma camada de magma derretido, costumam se chocar, e é em suas beiradas que se concentram os terremotos. O interior das placas, por outro lado, sofre menor pressão. Isso explica porque os países que se localizam nestas regiões não enfrentam grandes terremotos. É o caso Brasil, que está no meio da placa Sul-Americana. Mas engana-se quem acha que não há abalos sísmicos em terras brasileiras. Eles ocorrem sim, mas como ficam na casa dos 4 pontos na escala richter, não acarretam efeitos observáveis na superfície.

Exercícios:
1- No que consiste o vulcanismo?
2- Qual a origem da expressão vulcão?
3- Descreva um vulcão, de acordo com suas partes.
4- O que são abalos sísmicos?
5- Onde ocorrem a maioria dos abalos sísmicos?

África

Novo oceano pode estar se formando na África
A maior fenda da crosta terrestre vista em décadas, ou talvez em séculos, pode ser o início de um novo oceano, de acordo com dados recolhidos por satélite.
Geólogos dizem que a fenda de 60 km, aberta no ano passado, pode chegar a atingir o Mar Vermelho, isolando grande parte da Etiópia e Eritréia do resto da África.
Ela foi aberta por um terremoto em setembro e, segundo observações de cientistas publicadas na revista Nature, estaria crescendo com uma velocidade sem precedentes.
A fenda reflete movimentos subterrâneos, onde algumas das placas tectônicas que formam a África estão se distanciando gradualmente da placa Arábica, obrigando a crosta a se abrir.
À medida em que a fenda cresce, rochas derretidas são empurradas para a superfície, se solidificando e formando o piso de um eventual novo oceano.
Os cientistas calcularam que 2,5 km cúbicos de lava afloraram da fenda aberta na crostra terrestre, volume suficiente para encher um estádio de futebol de grande porte pelo menos duas mil vezes.
Tim Wright, da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, diz que, se o movimento continuar, a região conhecida como o Chifre da África vai se separar do resto do continente em cerca de um milhão de anos.
Ele afirma que, neste caso, a fenda "vai alcançar o Mar Vermelho e o oceano vai jorrar por ela".
Primeira vez
Wright integra uma equipe da Grã-Bretanha e Etiópia que vem monitorando a criação da nova bacia oceânica, um evento raro em terra firme.
Eles utilizam instrumentos sísmicos de ponta, medidores de campo e imagens de satélite da Agência Espacial Européia, Envisat, para a pesquisa.
"Obtivemos um mapa bastante preciso", diz ele.
"É a maior fenda que se abre desde os anos 1970 e, talvez, em centenas de anos."
"Esta é a primeira vez que podemos usar imagens de satélite para investigar o processo fundamental no momento em que ele acontece."
Os movimentos nas placas terrestres vêm acontecendo gradualmente nos últimos dois milhões de anos, mas de tempos em tempos, terremotos e erupções vulcânicas causam rupturas repentinas.
BBC Brasil
BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL

sábado, 12 de setembro de 2009

Agricultura Brasileira

A Revolução na Agricultura Brasileira - Entre 1990 e 2002, o PIB agropecuário cresceu numa média de 3,20%, enquanto a economia como um todo ficou em 2,70%.

CiclosoEconômicos
Uma das maneiras de contar a história do Brasil é pelos ciclos agrícolas que se sucederam na terra. Do extrativismo primitivo do pau-brasil, nos primórdios da colonização, ao moderno agronegócio atual, cada ciclo criou sua civilização brasileira. A marca registrada de quase todas elas foi ter se erguido sobre monoculturas, quase sempre motivadas por bolhas artificiais de demandas externas que, uma vez estouradas, deixavam os agricultores nacionais quebrados.
O Moderno Agronegócio Brasileiro é justamente a feliz reunião de alta tecnologia, equipamentos de ponta e crédito farto. Por essa conjunção de fatores, o campo brasileiro reúne as condições materiais para escapar da maldição dos ciclos. A atual civilização do campo reflete a solidez da base material sobre a qual está plantada. Da fronteira com o Uruguai ao Oiapoque, a agricultura e a pecuária possuem vários níveis de desenvolvimento e tamanho, mas uma característica em comum. As áreas de excelência ligadas ao mercado externo crescem em toneladas produzidas e em riqueza gerada a cada ano.
A Zona Rural Globalizada : O novo avanço do setor exportador baseado no agronegócio está modificando as linhas da fronteira do que antes separava o mundo rural do mundo urbano. O sucesso do agronegócio fez com que o atrasado de ontem se tornasse o globalizado de hoje. O agricultor de soja perdido no interior de Mato Grosso está mais próximo do Primeiro Mundo, a cujas bolsas de mercadorias ele se liga instantaneamente por internet, do que a dona-de-casa que compra uma lata de óleo de soja na prateleira de um supermercado da capital.
Uma Economia Sem Crise : Entre 1990 e 2002, o PIB agropecuário cresceu numa média de 3,20%, enquanto a economia como um todo ficou em 2,70%. Nos últimos cinco anos, o ritmo de crescimento do setor foi quase o dobro do registrado pelo país. Os agricultores brasileiros são os mais competitivos na produção de açúcar, soja, algodão e laranja. O país já é o maior exportador mundial de carne bovina e de frango. Junto, o agronegócio representa cerca de 35% da economia brasileira.
As fazendas são cada vez mais dependentes da tecnologia de ponta e da gestão eficiente, a lista dos favorecidos inclui um contingente crescente da classe média. São especialistas em software, engenheiros, administradores, representantes de companhias de comércio exterior e empresas de máquinas e serviços agrícolas.
Outro Mundo : Nos pólos agrícolas bem-sucedidos de todas as regiões brasileiras, a lógica é diferente da das capitais. As altas do dólar são sempre comemoradas porque significam mais reais por tonelada vendida. A visão de mundo é diferente. Uma grande quebra de safra de açúcar na Austrália, de soja nos Estados Unidos, de café no Vietnã ou de algodão no Paquistão – que sempre passa despercebida nas metrópoles – é motivo de festa no interior.
(Fonte:Texto original revista Veja ed 1873
Prof. Silvio Araújo de Sousa)


Responda:
1- Explique de que maneira podemos contar a história do Brasil através dos ciclos econômicos. Por que estes ciclos sempre foram prejudiciais aos agricultores?
2- Explique a frase grifada no texto.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Venezuela

04/09/2009 - 15h29
Centenas protestam contra Chávez na Venezuela e Espanha
da Folha Online
Após um grupo de colombianos convocar uma "marcha global" contra a política externa do presidente venezuelano, Hugo Chávez, centenas de pessoas foram às ruas em Caracas (Venezuela), Madri e Barcelona (ambas na Espanha) para protestar contra políticas que "empobrecem, dividem e manipulam" os venezuelanos.



Manifestante segura placa com frase "sem mais Chávez" em protesto contra o presidente Hugo Chávez em praça de Madri


"Chávez não quer gerar bem-estar mas oprimir e empobrecer o povo, levar a Venezuela ao confronto, prender os que se opõem, ideologizar a juventude. Usa o nome de nosso libertador, Simón Bolívar, como desculpa para sua revolução, manipulando seu legado histórico", disseram os manifestantes em um documento lido na ocasião, em uma avenida do leste de Caracas, capital venezuelana.
Vestidos de branco, levando bandeiras venezuelanas e conclamando "Não mais Chávez", os venezuelanos denunciaram o "desperdício" dos recursos do país, a "intransigência" do presidente e sua "intromissão" em assuntos de outros países.
"Esta é a maneira de demonstrar nossa rejeição às políticas interna e externa do presidente Chávez, para mostrar que queremos uma Venezuela diferente, livre e soberana", declarou Héctor Castillo, professor universitário.
Espanha
No centro de Madri, um grupo de cem pessoas se manifestou contra Chávez "pela liberdade de expressão e o respeito aos direitos humanos".
Outro grupo de cerca de cem pessoas se reuniu em Barcelona, na praça de Sant Jaume, com bandeiras da Venezuela e cartazes contra o que chamaram de ditadura na Venezuela.
Os manifestantes nas duas cidades gritavam slogans como "Não mais Chávez" e "Vá embora".
Marcha mundial
A previsão dos organizadores da "marcha mundial" contra o presidente disseram que os protestos estavam programados para cem cidades de 30 países.
O grupo "Marcha Mundial contra Chávez em 4 de Setembro", criado pelo colombiano Alejandro Gutiérrez, 28, economista e empresário, teve, em dez dias, 342.538 adesões no site de relacionamento Facebook.
Ao mesmo tempo, grupos de simpatizantes do presidente venezuelano anunciaram eventos para apoiá-lo em 50 países.
Com France Presse e Efe

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Relevo e Solo

Relevo e Solo

As formas de relevo

Pode-se dizer que o relevo é toda forma assumida pelo terreno (montanhas, serras, depressões, etc.) que sofreu mudanças com os agentes internos e externos sobre a crosta terrestre. Os agentes externos são chamados também de agentes erosivos (chuva, vento, rios, etc.) eles atuam sobre as formas definidas pelos agentes internos. As forças tectônicas (movimentos orogenéticos, terremotos e vulcanismo) que se originam do movimento das placas tectônicas são os agentes internos.
A altitude do relevo é medida com referência no nível do mar, em metros.
O relevo em função das altitudes e dos planos, pode se apresentar nas formas de: montanhas, planaltos, planícies e depressões.

Montanhas
Possuem as maiores altitudes do relevo terrestre. Essas elevações quando isoladas constituem, os montes, colinas; quando estão agrupadas, constituem as serras, cordilheira e maciço. As montanhas podem ser recentes e apresentarem as seguintes características:
- grandes altitudes;
- picos abruptos;
- atividade vulcânica intensa;
- datam geralmente do período Terciário da Era cenozóica;
As montanhas velhas apresentam características como:
- pequenas altitudes;
- formas arredondadas;
- formadas na Era Arqueozóica, Proterozóica ou Paleozóica;

Planalto
É uma forma de relevo com área irregular e altitude superior a 300 metros. São relativamente planos ou inclinados. O planalto é resultante de processos erosivos. Nas bordas dos planaltos geralmente aparecem as “escarpas”, que são chamadas de serras. Mas ao contrario do que se pensa, não é a altitude que determina os planaltos, mas si, o predomínio do processo de erosão.

Planície
É uma forma de relevo plana ou pouco inclinada, pouco acidentada, predominando a acumulação de sedimentos. As planícies podem ser:
- costeira, quando resulta do levantamento da plataforma continental.
- aluviais, resultado da acumulação de sedimentos feitos pelos rios.
- de piemonte, quando é formada na parte baixa entre as montanhas.

Depressões
É uma parte do relevo mais plana que o planalto, com suave inclinação e altitude entre 100 e 500 metros. Podem ser:
- depressão absoluta: as altitudes são inferiores ao nível do mar.
- Depressão relativa: suas altitudes são inferiores as do relevo ao seu redor, seja uma chapada, planalto ou outro.

Relevo submarino
Neste tipo de relevo podemos diferenciar:

Plataforma continental
É a estrutura geológica continental abaixo do nível do mar. Apresenta uma profundidade razoável, contribuindo para que se desenvolva vegetação marinha e conseqüentemente o desenvolvimento de atividade pesqueira. Com o passar do tempo, as depressões do terreno da plataforma continental tornam-se bacias sedimentares de grande importância para a exploração de petróleo no oceano.
Talude
Onde ocorre o encontro da crosta continental com a crosta oceânica, com inclinação de profundidade que podem chegar a 3mil metros.

Região pelágica
É o relevo submarino onde encontramos depressões, montanhas tectônicas e vulcanismo. Podendo atingir a 6 mil metros abaixo do mar.

Agentes esculturais
São os fenômenos de grande importância na transformação do relevo terrestre. São chamados de agentes de erosão ou esculturais. Fatores como: tipo de relevo, natureza das rochas, das águas, presença do homem ou animais e clima, influenciam na intensidade das ações desses agentes esculturais. Esses fenômenos têm ação lenta, mas constante. São fenômenos da atmosfera, biosfera e hidrosfera.

Intemperismo
Ação dos agentes físicos, químicos e biológicos, separando e decompondo as rochas.
O intemperismo físico é a desagregação das rochas por agentes físicos e biológicos.
A temperatura do ar e a água são gentes físicos. Por exemplo: as rochas estão superaquecidas, pelo calor do sol, daí são resfriadas bruscamente pelas chuvas, dessa forma ocorre a desagregação das rochas. Isto ocorre intensamente nas regiões de clima áridos, aonde predomina rochas sedimentares detríticas.
Exemplo de intemperismo físico causado por um agente biológico: o crescimento de raízes grandes (mangueira) causa ondulações no terreno podendo comprometer algumas edificações. O intemperismo químico é a decomposição das rochas por agentes químicos e biológicos, por exemplo, formação das cavernas.
A matéria orgânica produz substâncias que causam a decomposição das rochas, é portanto, um exemplo de intemperismo químico.

Solo
É o resultado da ação do intemperismo nas rochas. Todo solo tem condições de vida vegetal, pois adquire porosidade e como decorrência, há penetração de ar e água. O solo, portanto, é constituído por rocha intemperizada, ar, água e matéria orgânica que formam um manto de intemperismo que recobrem superficialmente a crosta terrestre.

Tipos de solos
Expostas as mesmas condições climáticas, cada tipo de rocha produz um tipo de solo diferente; mas de acordo com a origem podemos classificar:
- eluviais: quando formados pela alteração da rocha que se encontra abaixo, quer dizer, o solo foi formado no local onde se encontra. Ex. terra-roxa.
- aluviais: são formados pela ação dos agentes naturais de transporte (rios, vento, etc.) Ex. solos de várzea.
- orgânicos: são formados a partir de matéria orgânica, por isso são férteis e tem alto valor agrícola. Ex. solos humíferos.
Quanto a estrutura os solos podem ser: argilosos, arenosos ou argilo-arenosos.
Os solos de clima tropical sofrem grandes problemas com a erosão, lixiviação e a laterização.
A laterização é o surgimento de uma crosta ferruginosa, formada pela decomposição das rochas com precipitação dos óxidos e hidróxidos de alumínio e ferro, que acaba com a fertilidade do solo. A lixiviação é a lavagem da parte superficial do solo, onde se encontra os nutrientes, e retirada dos sais minerais hidrossolúveis, empobrecendo o solo.
No Brasil, o escoamento superficial da água é o principal agente erosivo. Para combater a erosão superficial é preciso manter o solo recoberto por vegetação ou quebrar a velocidade do escoamento utilizando a técnica de cultivo em curvas de nível.

Erosão e acumulação
A erosão é o desgaste das rochas e do solo feito pelas águas, ventos, animais e o homem. Em toda erosão, segue-se o transporte e a acumulação dos sedimentos retirados. Em geral, a erosão é mais freqüente nos lugares altos e a acumulação nos baixos.

Erosão e acumulação em regiões geladas
Ocorre quando grandes blocos de gelo se desprendem e descem montanha abaixo, formando grande vales. Todo gelo, neve e sedimentos das rochas que são levados pelos blocos de gelo ficam acumulados nos sopés das montanhas formando as morainas.
Fjords- são golfos fundos e estreitos, bem comum no litoral norueguês, eles se formam quando os vales, cavados pela ação do gelo, são invadidos pelas águas do mar.

Erosão e acumulação eólica
A erosão através do vento é bem comum, e pode fazer formas bastante pitorescas, como em formas de ‘taças’ e ‘cogumelos’. O vento pode criar várias formas de relevo através de acumulação de areia, como as dunas. Estas surgem bem freqüentemente em praias e desertos, aonde a areia é abundante.
A erosão eólica pode ser:
- deflação: os ventos varrem as areias.
- corrosão: fazendo um certo lixamento, atirando partículas contra um obstáculo.

Erosão marinha
Age tanto no sentido de construir como de destruir as formas de relevo. Praia é um exemplo do primeiro caso.
- restinga: é a acumulação feita nas entradas das baías, formando-se lagoas costeiras.
- recife: acumulação de carapaças de animais marinhos, antigas praias e restingas que se consolidaram em rocha sedimentar, próxima à praia, diminuindo a ação das ondas. O recife pode ser de origem arenosa ou de coral (biológica).
- ilhas oceânicas: são geralmente de origem vulcânica ou cumes do relevo submarino (como se fossem montadas em alto mar). Aparecem em meio oceano, sem ligação direta com o continente.
Ação dos animais e do homem

Muitos animais, como tatus, fazem buracos fundos e a areia removida fica acumulada junto as suas tocas. Eles também são modificadores do relevo.

O homem age como modificador do relevo de uma maneira mais ampla e intensa.

O homem constrói túneis, destróis montanhas com dinamite, aterra lagos e pântanos. O resultado desse trabalho nem sempre é positivo. O homem na maioria das vezes destrói o natural sem pensar nas conseqüências e acaba colhendo resultados desastrosos.

O desmatamento elevou os índices do processo erosivo. Por causa disso, as enxurradas escavam vários buracos que crescem e ameaçam as edificações em muitas cidades.
Exercícios:
Responda:
1. O que é relevo, e de que forma se apresenta?
2. Quais são as principais formas de relevo das terras emersas?
3. Observe o mapa-múndi físico e cite dois exemplos de cada forma de relevo.
4. Quais as principais formas de relevo submarino? E qual é a forma economicamente importante?
5. O que são agentes esculturais?
6. O que é solo?
7. Descreva os problemas que podem surgir com o solo.
8. Quais os tipos de solos? Descreva-os
9. O que erosão?
10. Quais os tipos de erosão?
11. Podemos encontrar dois tipos de erosão marinha. Quais são? Dê exemplo de cada um.
12. Observe o mapa-múndi físico, escreva:
I - Dê um exemplo de mar que banha:
a) América
b) Europa
c) África
d) Ásia
II – Quais os oceanos que banham:
a) América
b) Europa
c) África
d) Ásia
e) Oceania

Sugestão de Avaliação
Marque a resposta certa:
1) Qual desses abaixo, não é um agente interno:
a) terremoto b) chuva c) vulcanismo d) movimentos orogenéticos
2) Uma forma de relevo com área irregular, e relativamente plana e inclinada, é o que chamamos de:
a) montanhas b) litoral c) planalto d) planície
3) Quando uma depressão tem altitude inferior ao nível do mar chamamos de:
a) agentes esculturais b) pequena depressão c) piemonte d) depressão absoluta
4) Fenômenos de ação lenta, mas de grande importância na transformação do relevo, dá-se o nome:
a) agentes esculturais b) agentes internos c) agentes culturais d) agentes físicos
5) A ação dos agentes físicos, químicos e biológicos, separando e decompondo as rochas, dá-se o nome de:
a) metamorfismo b) intemperismo c) erosão eólica d) sedimentação
Responda:
6) O que é relevo, e de que forma se apresenta?

7) Descreva os problemas que podem surgir com o solo.

8) Quais as principais formas de relevo marítimas? E qual que é economicamente importante?

9) Quais os tipos de solos? Descreva-os



Gabarito:

1) b
2) c
3) d
4) a
5)b
6) O relevo é toda forma assumida pelo terreno através de mudanças sob a ação dos agentes internos e externos. Pode-se apresentar em forma de montanhas, planalto, planície e depressão.
7) O solo pode sofrer vários problemas com a erosão que é o desgaste do solo através do vento, homem, etc. Laterização que é o surgimento de uma crosta ferruginosa que acaba com a fertilidade do solo; e a lixiviação que é uma lavagem de todos os nutrientes na parte superficial do solo.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

RAMADÃ


Mulheres muçulmanas oram na Mesquita de Istiqlal, em Jacarta (Indonésia); Ramadã, mês sagrado islâmico, começa amahã (22/08/2009) (Irwin Fedriansyah/AP ) - Folha OnLine



O Jejum do Ramadã


O Ramadã é um feriado não fixo que se movimenta a cado ano e se localiza no nono mês do calendário muçulmano. Acredita-se que no mês do Ramadan o Alcorão sagrado foi enviado do céu como uma orientação aos homens e como um meio de sua salvação. É durante este mês que os muçulmanos jejuam. Este mês é chamado de Jejum do Ramadã e dura um mês inteiro. O Ramadã é um período quando os muçulmanos se concentram na sua fé e gastam menos tempo nas suas preocupações cotidianas. É um período de adoração e contemplação.
Durante o jejum do Ramadã várias restrições rígidas são feitas nas vidas diárias dos muçulmanos. Não é permitido comer ou beber durante as horas que se tem luz do dia. Fumar e manter relações sexuais também são proibidas durante o jejum. Ao término de cada dia o jejum é finalizado com uma oração e uma refeição chamada "iftar". Na noite que segue ao iftar é habitual que os muçulmanos saiam com a família para visitar amigos e familiares. O jejum é retomado na manhã seguinte.
De acordo com o Alcorão sagrado: A pessoa pode comer e beber a qualquer hora durante a noite "até que ela possa distinguir uma linha branca de uma linha preta pela luz do dia: e então ela deve manter o jejum até noite".
O bem feito pelo jejum pode ser destruído através de cinco situações: contar uma mentira, calunia, denunciar uma pessoa pelas costas, um falso juramento, ganância ou cobiça. Geralmente estas coisas são consideradas ofensivas, mas é muito mais ofensivo durante o jejum do Ramadã.
Durante o Ramadã, é comum aos muçulmanos irem à Mesquita e passar várias horas rezando e estudando o Alcorão. Além das cinco orações diárias, durante o Ramadã os muçulmanos recitam uma oração especial chamada a oração de Taraweeh (Oração Noturna). A duração desta oração é de 2 a 3 vezes maior que as orações diárias. Alguns muçulmanos passam a noite inteira em oração.
Na noite do 27º dia do mês, os muçulmanos celebram o Laylat-al-Qadr (a Noite do Poder). Acredita-se que nesta noite Maomé recebeu a revelação do Alcorão sagrado. E de acordo com o Alcorão, neste dia Deus determina o curso do mundo durante o ano seguinte.
Quando o jejum termina (no primeiro dia do mês de Shawwal), um feriado chamado Id-al-Fitr (o Banquete do Termino do Jejum) é celebrado durante três dias. Presentes são trocados. Amigos e familiares rezam em congregação e fazem banquetes. Em algumas cidades festividades são feitas para celebrar o fim do jejum do Ramadã.

http://www.business-with-turkey.com/guia-turismo/jejum_ramada.shtml

Saiba mais sobre o Afeganistão


O Afeganistão é um dos países mais pobres do mundo e tem vivido tamanha instabilidade nas últimas décadas, que sua economia e infra-estrutura estão em ruínas.
Um terço da população afegã deixou o país, abalado não só por guerras e conflitos internos, mas também por desastres naturais, como terremotos e secas.
Por sua posição estratégica, espremido entre o Oriente Médio, a Ásia Central e a Índia, ao longo da antiga "Rota da Seda", o Afeganistão foi disputado por vários países durante longo tempo; no século XIX, o país foi disputado tanto pela Rússia Imperial como pelo império britânico na Índia.
No final da década de 70, o Afeganistão se tornou um importante campo de batalha da Guerra Fria, depois que milhares de soldados soviéticos foram enviados ao país, em 1979, para garantir a permanência do regime pró-comunista. Isso resultou em um grande confronto, envolvendo os Estados Unidos e os vizinhos do Afeganistão.


População: 26 milhões

Renda per capita: não disponível

Capital: Cabul

Língua: pashtu e dari (persa)

Religião: Islamismo

Expectativa de Vida: 46 anos (homens), 45 anos (mulheres)

Moeda: 1 afegano = 100 puls

Exportação: frutas, castanhas, tapetes e lã

Domínio da internet: .af

DDI: 389


http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/000000_pafeganistao.shtml

AFEGANISTÃO

Conheça o que está em jogo nas eleições do Afeganistão
Folha OnLine
Mais de 15 milhões dos 33 milhões de cidadãos afegãos são esperados para participar das eleições presidencial e provinciais que acontecem nesta quinta-feira (20). Este é o segundo pleito ocorrido no país desde a invasão por parte das tropas internacionais lideradas pelos Estados Unidos e a deposição do grupo fundamentalista islâmico Taleban, em 2001. Estão em jogo a Presidência e as vagas nos Conselhos Provinciais de todas as 34 Províncias.
Todo candidato à Presidência deve ser cidadão exclusivamente afegão, filho de pais afegãos, muçulmano e com mais de 40 anos de idade. Ele não pode ser integrante ou comandante de milícias armadas.
Dos 41 candidatos registrados (incluindo duas mulheres), 36 chegaram às cédulas, porém a maior chance de vitória, segundo as mais recentes pesquisas de intenção de voto, é mesmo do presidente de Hamid Karzai, candidato à reeleição. Os seus principais concorrentes são o ex-chanceler Abdullah Abdullah e o deputado Ramazan Bashardost, da minoria étnica hazara.
Um candidato precisa de mais de 50% dos votos válidos para vencer em primeiro turno. Caso contrário, os dois primeiros participam do segundo turno. Neste ano, a data provisória para a realização de um eventual segundo turno é 1º de outubro próximo.
Nas eleições provinciais, concorrem, neste pleito, mais de 3.000 candidatos, dos quais cerca de 10% são mulheres.
O número de cadeiras disponível em cada Conselho Provincial varia conforme a população, sendo que o mínimo é de nove e o máximo, observado na capital Cabul, é de 29. Conforme a Lei Eleitoral afegã, ao menos 25% das vagas de cada Conselho Provincial são reservadas para mulheres. Caso não haja candidatas suficientes, essas vagas permanecem vazias.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009


IRÃ

Irã ou República Islâmica do Irã é um país localizado no Oriente Médio, um subcontinente da Ásia. O país possui uma área de 1 648 195 km², onde vivem cerca de 68 milhões de habitantes.
A topografia do país é constituída, basicamente, por planaltos, havendo uma cadeia de montanhas ao redor dos mesmos. Na parte central estão estabelecidos dois desertos, o Dasht-e-kavir e o Dasht-e-Lut. Ao norte, próximo ao Mar Cáspio, se encontram as montanhas Elburz, que abrigam vulcões em atividade. Essa área montanhosa possui o ponto mais elevado do país, o Monte Demavend, com 5.671 metros de altitude.
Assim como a maioria dos países do Oriente Médio, o Irã possui em seu território poucos recursos hídricos. Há basicamente três grandes rios, são eles: Karun, Atrak e Safid.
São identificados dois tipos de climas na região, o árido subtropical e o subtropical de altitude.
A economia iraniana está extremamente vinculada à produção de petróleo.
A exportação do país está ligada a produtos como tapetes, frutas secas e especiarias. Apesar das adversidades climáticas, a agricultura desempenha um importante papel na composição do PIB do país.
O Irã produz trigo, cevada, centeio, milho, sorgo, algodão, arroz, uvas, maçãs, peras, pêssegos e bananas. Na pecuária se destaca na criação de ovinos, caprinos e camelos.
Já na pesca, a atividade não tem sido explorada em todo seu potencial.
Dados gerais do país Nome: República Islâmica do Irã.
Gentílico: iraniano (a).
Capital: Teerã
Língua oficial: persa.
IDH (Índice de Desenvolvimento Humano): 0, 759 – médio.
Moeda: rial iraniano.

Por Eduardo de Freitas - Graduado em Geografia - Equipe Brasil Escola
05/08/2009 - 15h07 Folha Online

Ahmadinejad critica países ocidentais em discurso de posse
(da BBC )

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, defendeu os resultados das eleições que desencadearam a onda de protestos no país em junho e criticou países ocidentais em seu discurso de posse para o segundo mandato, nesta quarta-feira em Teerã.
"Alguns governos deveriam se sentir responsáveis por suas palavras e ações. O povo do Irã quer um diálogo construtivo [...] Vamos resistir às violações da lei e abuso [...]", afirmou o presidente iraniano.
"[Governos estrangeiros] só querem a democracia a serviço de seus próprios interesses --eles não respeitam os direitos de outras nações, eles se veem como os parâmetros da democracia-- nosso povo é contra isto, por isso nosso povo está resistindo."
Vários governos criticaram a eleição presidencial iraniana, realizada no último dia 12 de junho. A vitória de Ahmadinejad desencadeou as maiores manifestações públicas no Irã desde a revolução de 1979, que levou ao poder o atual regime islâmico.
Pelo menos 30 pessoas morreram e centenas foram presas. Grupos da oposição seguem falando em fraude na votação e acreditam que o número de mortos e prisioneiros seja maior do que o divulgado.
Muitos países se recusaram a enviar a tradicional carta dando os parabéns a Ahmadinejad pela reeleição, incluindo Estados Unidos, Alemanha, França e Reino Unido.
"Ninguém no Irã está esperando pelos cumprimentos de ninguém", afirmou Ahmadinejad no discurso realizado no Parlamento em Teerã.
Do lado de fora do Parlamento, partidários da oposição protestavam. Eles teriam entrado em confronto com a tropa de choque da polícia e pelo menos uma pessoa foi presa.
Leia mais notícias sobre a posse de Mahmoud Ahmadinejad
§ Ahmadinejad assume polêmico segundo mandato; oposição nega fim de protestos
§ Ahmadinejad assume segundo mandato com discurso de resistência à pressão Polícia detém ao menos dez em Teerã durante posse de Ahmadinejad
05/08/2009 - 12h55
Fluxo de dólares para o Brasil fica positivo em julho pelo 4º mês seguido

EDUARDO CUCOLO da Folha Online, em Brasília

O fluxo de dólares entre o Brasil e o exterior ficou positivo em US$ 1,27 bilhão em julho, segundo dados do Banco Central. Isso significa que, nesse período, houve mais dólares entrando do que saindo do país.
Esse movimento é um dos fatores que vem empurrando a cotação da moeda norte-americana para baixo nos últimos meses. Às 11h43 desta quarta-feira, a moeda era vendida a R$ 1,836.
BC resgata 70% dos dólares emprestados durante a crise
Meirelles diz que economia se recupera e pede pé no chão
Reservas batem recorde e superam nível pré-crise
O número apurado pelo BC é a diferença entre as operações nas áreas comercial e financeira. Na área comercial, o fluxo ficou negativo em US$ 2,833 bilhões.
O BC considera também nessa conta os dólares que entram por meio de operações financeiras, como aplicações, investimentos, gastos e remessas. Nesse caso, o fluxo ficou positivo em US$ 4,103 bilhões.
Segundo o BC, algumas empresas estão trazendo de volta ao país os recursos de exportações que estavam no exterior para contratar operações de importação. Isso provoca uma piora na conta comercial e uma melhora no saldo financeiro, por onde entraram esses dólares.
No acumulado do ano, o fluxo cambial está positivo em US$ 3,935 bilhões. No mesmo período do ano passado, estava positivo em US$ 12,44 bilhões.
Entre janeiro e julho, saíram do país US$ 6,059 bilhões na área financeira. Esse resultado negativo foi compensado pela entrada de US$ 9,995 bilhões no comércio exterior.
Intervenções
O Banco Central também informou hoje ter comprado US$ 2,164 bilhões em julho no mercado de dólar à vista. Essas compras são aquelas que afetam o nível das reservas internacionais, que alcançaram o nível recorde de US$ 210 bilhões.
O BC também registrou o retorno para as reservas de empréstimos em dólares que venceram nesse período. Foram US$ 1,5 bilhão de operações de recompra, que voltaram no dia 1º de julho, e US$ 949 milhões de empréstimos ao longo do mês.
Leia mais notícias sobre economia brasileira:
§ Estrangeiro volta e coloca R$ 2,2 bi na Bolsa em julho
§ Produção industrial sobe em oito de 14 regiões em junho, diz IBGE
§ Grandes empresas fazem pressão por crédito do IPI

Boas notícias para nós brasileiros.
05/08/2009 - 10h58

BC resgata mais de 70% dos dólares emprestados durante a crise
Publicidade


EDUARDO CUCOLO da Folha On line, em Brasília

O Banco Central já resgatou ou recomprou mais de 70% dos dólares injetados no mercado de câmbio durante o pior momento da crise econômica.
De acordo com o BC, já voltaram para as reservas US$ 28,2 bilhões dos US$ 39 bilhões disponibilizados por meio de leilões de empréstimos e vendas de dólares.

Petrobras aumenta 81% seu valor de mercado e seria 4ª em ranking dos EUA
EUA se afastaram de cair em outra depressão econômica, diz Casa Branca
Meirelles diz que economia se recupera, mas pede "pé no chão" a investidores

Os números foram apresentados hoje pelo presidente do BC, Henrique Meirelles, durante audiência pública no Senado, e se referem aos dados fechados até 31 de julho.
Até o fim do mês passado, o BC recomprou US$ 8,2 bilhões dos US$ 14,5 bilhões vendidos e resgatou US$ 20 bilhões dos US$ 24,5 bilhões em prestados.
Além desses empréstimos e vendas, o BC realizou operações com contratos cambiais no valor de US$ 33 bilhões --operações que já foram "zeradas" há algumas semanas.
Durante a crise, o BC também realizou a liberação de quase R$ 100 bilhões dos depósitos compulsórios. Esse é o dinheiro que os bancos recebem dos clientes, mas são obrigados a deixar depositados no BC, como uma reserva.
Com o crescimento dos depósitos bancários desde então, Meirelles estima que os compulsórios estejam hoje R$ 119 bilhões abaixo do valor que estariam dentro das regras pré-crise. Hoje, há R$ 179 bilhões em compulsórios depositados no BC.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Climas do Brasil

Climas no Brasil

No Brasil predomina climas quentes e úmidos, por possuir maior parte do seu território na zona intertropical.

Equatorial

É um clima quente e úmido, que fica ao redor da linha do Equador. As chuvas são abundantes e maior parte de convecção.

Este tipo de clima fica na região Norte do Brasil.

Com temperaturas que variam de 24°C a 27°C.

Nessa região o índice pluviométrico é de 2000mm por ano.



Tropical úmido

Se situa na costa leste do Brasil, desde o Rio Grande do Norte até São Paulo.

No inverno se formam frentes frias e em alguns dias a temperatura fica baixa.

As chuvas ocorrem no verão, apenas no litoral nordeste que chove mais no inverno.

É um clima quente e úmido, apesar das “ondas de frios” que ocorrem as vezes.

Tropical típico ou semi-árido

Este tipo de clima ocorre no região central do Brasil.

As médias de temperatura variam de 20° a 28°C.

Chove por volta de 1500mm por ano.

É um tipo de clima quente e semi-úmido, com chuvas no verão e seco no inverno.

Semi-árido

Ocorre no sertão nordestino. Com chuvas inferiores a 800mm por ano.

É seco e árido, mas não como o deserto.

Tem quatro massas que exercem influencia, duas equatoriais e duas tropicais, que terminam sua trajetória no sertão.

Subtropical

Este tipo de clima se localiza no sul do país até o sul do trópico de Capricórnio.

Tem temperaturas médias nem quentes e nem frias. Com chuvas abundantes e bem distribuídas durante todo o ano.

O verão é bem quente e o inverno é bem frio, em lugares mais altos ocorrem geadas. Em alguns lugares chegou a cair neve, mais é raro.

Exercícios

Responda.

1) O que é clima? Que fatores influenciam?

2) Quais os principais tipos de precipitações atmosféricas?

3) Cite os principais tipos de climas do Brasil?

4) Qual a diferença entre clima e tempo?

5) Que influencia exerce a latitude e a altitude na temperatura de um lugar qualquer da superfície terrestre?

6) Enumere a coluna corretamente.

Equatorial ( a )
Tropical úmido ( b )
Semi-árido ( c )
Semi-úmido ( d )
Subtropical ( e )

Leste do Brasil, desde o Rio Grande do Norte até São Paulo. ( )
Na região central do país, é um clima quente e úmido. ( )
Se situa no Norte do país, com média anual de chuvas de 2000mm. ( )
Se localiza no Sul do Brasil, tendo o verão bem quente e o inverno mais frio. ( )
Se localiza no sertão do país, sendo seco e árido, com chuvas inferiores a 800mm por ano. ( )

Gabarito

1) é o comportamento da atmosfera, ao longo do ano, em um determinado lugar.
Os fatores que a influenciam são, relevo, latitude, altitude, vegetação e massas de ar.

2) Chuva, neve e gelo.

3) Equatorial, Tropical Úmido, Tropical Típico, Semi-árido e Subtropical.

4) O tempo muda em dia. Mas o clima é constante todo o ano.

5) A latitude influi em quanto mais longe da linha do Equador menor a temperatura e quanto mais perto maior a temperatura.
E a altitude influi em quanto mais alto o lugar menor será a temperatura.

6) b – d – a – e – c
CLIMA
O clima pode ser definido como sendo o comportamento da atmosfera ao longo do ano, em um ponto qualquer da superfície da Terra.
O clima não pode ser confundido com o tempo. Por exemplo: se dizemos que o dia ontem estava quente, estamos nos referindo ao tempo. Mas, se dissermos que na Amazônia o tempo é quente e úmido o ano inteiro, estamos nos referindo ao clima da região. O tempo portanto, é algo passageiro, é como o ar está naquele momento.

Fatores do clima
Cada região tem seu próprio clima, isto porque os fatores climáticos modificam os elementos do clima. Os fatores climáticos são:
- Latitude - Quanto mais nos afastarmos do Equador, menor a temperatura. A Terra é iluminada pelos raios solares com diferentes inclinações. Quanto mais longe do Equador a incidência de luz solar é menor.
- Altitude - Quanto mais alto estivermos menor será a temperatura. Isto porque o ar se torna rarefeito, ou seja, a concentração de gases e de umidade à medida que aumenta a altitude, é menor, o que vai reduzir a retenção de calor nas camadas mais elevada da atmosfera. Há a questão também que o oceano ou continente irradiam a luz solar para a atmosfera, ou seja, quanto maior a altitude menos intensa será a irradiação.
- Massas de ar - Apresentam características particulares da região em que se originaram, como temperatura, pressão e umidade, e se deslocam pela superfície terrestre. As massas podem ser polares, tropicais ou equatoriais.
As massas de ar tropicais se formam nos trópicos de Capricórnio e de Câncer.
Elas podem se formar na altura dos oceanos (oceânicas) e serem úmidas; serão secas se forem formadas no interior dos continentes (continental).
As massas polares são frias. Isto porque elas se formam em regiões de baixas temperaturas, como o nome já diz, nas regiões polares. Elas também são secas, visto que as baixas temperaturas não possibilitam uma forte evaporação das águas.
As massas equatoriais são quentes, se formam próximas a linha do Equador.
O encontro de duas massas, geralmente uma fria e outra quente, dá-se o nome de frente. Quando elas se encontram ocorre as chuvas e o tempo muda.
- Continentalidade - A proximidade de grandes quantidades de água exerce influencia na temperatura. A água demora a se aquecer, enquanto os continentes se aquecem rapidamente. Por outro lado, ao contrário dos continentes, a água demora irradiar a energia absorvida. Por isso, o hemisfério Norte tem invernos mais rigorosos e verões mais quentes, devido a quantidade de terras emersas ser maior, ou seja, sofre influencia da continentalidade, boa parte deste hemisfério.
- Correntes Marítimas - São massas de água que circulam pelo oceano. Tem suas próprias condições de temperatura e pressão. Tem grande influencia no clima. As correntes quentes do Brasil determina muita umidade, pois a ela está associada massas de ar quente e úmida que provocam grande quantidade de chuva.
- Relevo - O relevo pode facilitar ou dificultar as circulações das massas de ar, influindo na temperatura. No Brasil, por exemplo, as serras no Centro-Sul do país formam uma “passagem” que facilita a circulação da massa polar atlântica e dificulta a massa tropical atlântica.
- Vegetação - A vegetação impede a incidência total dos raios solares na superfície. Por isso, com o desmatamento há diminuição de chuvas, visto a umidade diminuir, e há um aumento da temperatura na região.

Elementos do clima
Falaremos sobre dois elementos do clima: umidade e pressão atmosférica.
Umidade - Corresponde à quantidade de vapor de água que encontramos na atmosfera. A umidade é relativa ao ponto de saturação de vapor de água na atmosfera, que é de 4%. Quando a atmosfera atinge essa porcentagem, ou se satura de vapor, ocorre as chuvas.
Muitas vezes escutamos no jornal falarem que a umidade relativa do ar é, por exemplo, de 60%. Isto quer dizer que estamos a 60% da capacidade máxima de retenção de vapor de água na atmosfera. Quando está chovendo, a umidade relativa do ar está em 100%, ou 4% em termos absolutos. Portanto, quando a umidade relativa do ar está por volta de 60%, está em 2,4% de vapor em termos absolutos.
Mas para que chova é preciso que a água se condense, ou seja, passe do estado gasoso ao liquido, além de o vapor ter de atingir o ponto de saturação.
O ponto de saturação varia de acordo com a temperatura. Uma maior temperatura, maior o ponto de saturação, uma menor temperatura, menor o ponto de saturação.
As nuvens são constituídas por vapor de água, ou cristais de gelo.
Pressão atmosférica
Pressão atmosférica é a força causada pelo ar sobre a superfície terrestre. Ela depende da latitude, altitude e temperatura.
Quanto maior a altitude, menor a pressão e vice-versa. Quanto menor a latitude, menor a pressão. Nas regiões mais quentes, região equatorial, o ar se dilata ficando leve, por isso tem uma baixa pressão. Próximo aos pólos, o frio contrai o ar, deixando mais denso, tendo uma maior pressão.
A temperatura também tem forte influencia na modificação da pressão atmosférica. Isto porque o ar quente é leve, ou seja, sobe e como conseqüência diminui a pressão. E em regiões de baixa temperatura há maior pressão, visto que o ar frio tende a descer.
O movimento do ar decorre da diferença de pressão. Ele se movimenta das altas para as área de baixa pressão. Esse movimento do ar chamamos de vento.
Tipos de clima - os principais são:
Climas polares - São climas de baixa temperatura o ano inteiro, chegando por volta, no máximo 10°. Pois não há concentração de calor, o sol fica sempre baixo no horizonte na época do verão, e no inverno ele nem aparece. Portanto essas regiões polares (próximas aos círculos polares Ártico e Antártico) estão sempre cobertas de neve e gelo. As temperaturas mais baixas foram registradas em Vostok, Antártida, -88°C.
Climas temperados - Os climas temperados são caracterizados por ser possível ver as quatro estações do ano de uma maneira bem clara, sendo possível as atividades humanas durante a maior parte do ano. Dividem-se em:
- marítimo: Sofre influencia dos oceanos, por isso as temperaturas são constantes.
- continental: apresenta verões mais quentes e invernos mais frios e secos.
Clima mediterrâneo - Apresenta invernos mais brando e chuvosos, verões quentes e secos. As chuvas ocorrem no outono e inverno. Algumas áreas de sua ocorrência são o sul da Califórnia, parte meridional da África do Sul e sul da Austrália.
Clima tropical - É considerado como transição entre o clima equatorial e o desértico. Apresenta temperatura elevada o ano inteiro. Tem duas estações bem definidas: verão, que ocorre as chuvas, e inverno ameno e seco. Este tipo de clima ocorre na maior parte do território brasileiro.
Clima equatorial - Ocorre na zona climática mais quente do planeta, faixa Equatorial. A temperatura média anual é superior a 24°C. As chuvas são abundantes, cerca de 2000mm, com pequena amplitude entre o dia e a noite.
Clima subtropical - Ocorre entre os climas tropicais e temperados. Apresentam chuvas abundantes, verões quentes e invernos frios. É característico das médias latitudes.
Clima desértico - Os desertos baixo índice pluviométrico, cerca de 250mm por ano. É comum uma temperatura acima de 42°C durante o dia, mas à noite pode chegar a menos de 0°C principalmente no inverno. Algumas áreas de desertos são: África do Norte (Saara) e Ásia Ocidental (Arábia).
Clima semi-árido - Apresenta poucas chuvas, sendo mal distribuídas durante o ano. São climas de transição, encontrados tanto em regiões tropicais como em zonas temperadas.

Responder no caderno:
1- Quais são os elementos da atmosfera?
2- Como ocorre o aquecimento da atmosfera?
3- O que é a umidade do ar? Como ocorrem as chuvas?
4- O que é o ponto de saturação?
5- O que é pressão atmosférica? Quais os fatores que a influenciam?
6- Explique como a temperatura influencia na pressão atmosférica?