segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Ação na fronteira flagra até tráfico de barbatanas


Partes de tubarões passam pelo Brasil no caminho para a China; armas de chumbinho e explosivos também são contrabandeados

26 de agosto de 2012

LISANDRA PARAGUASSU, BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo
Nos 16,8 mil quilômetros de fronteiras do Brasil passa de tudo. Desde o ano passado, quando foram iniciadas as operações Ágata, uma ação conjunta de 25 agências do governo brasileiro e das Forças Armadas, descobriu-se que os crimes nas terras limítrofes do País vão muito além do tráfico de drogas, armas e contrabando de carros. Passam também explosivos, remédios, armas de chumbinho e até barbatanas de tubarão.
Na edição mais recente da operação (Ágata 5), encerrada na última semana, foram apreendidas quase 12 toneladas de explosivos na fronteira entre o Mato Grosso do Sul e o Paraguai. A mercadoria vai parar nas mãos de criminosos para explodir caixas eletrônicos no Sul e Sudeste.
Do Uruguai vem uma quantidade considerável de armas de chumbinho. Usadas normalmente para caçar passarinhos e pequenos animais e aparentemente inofensivas, as armas intrigaram os agentes de inteligência. Até que se descobriu que, após serem adulteradas, eram usadas em assaltos.
No Sul, há muito tráfico de maconha e contrabando de eletrônicos, brinquedos, agrotóxicos, pneus e medicamentos. É comum a apreensão de Cialis e Viagra, medicamentos contra disfunção erétil. Também é frequente o contrabando de cigarros falsos do Paraguai.
Um pouco mais para cima, a partir da fronteira com a Bolívia, aumenta o tráfico de cocaína e o contrabando de carros roubados. O tráfico de armas e madeira ilegal é maior nas fronteiras com Venezuela e Colômbia. Durante as operações, dez pistas de pouso dentro de reservas e terras indígenas foram destruídas.
Nas fronteiras com as Guianas e o Suriname, o maior problema é o garimpo ilegal de ouro. "Esse é um crime complicado de combater. Quando tem operação desse lado eles fogem para a Guiana. Quando tem lá, eles fogem para cá", explicou o chefe de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, tenente-brigadeiro Ricardo Machado.
Foi nessa região que a Abin detectou outro crime em alta, o contrabando de barbatanas de tubarão para a China, que saem do Brasil pelo porto de Belém. Considerada uma iguaria no país asiático, as barbatanas são parte de um comércio não apenas ilegal, mas destrutivo. Para retirar as barbatanas, os pescadores jogam fora todo o animal.
Força-tarefa. Iniciadas no ano passado, as operações Ágata envolvem, em média, 9 mil homens das Forças Armadas, além de representantes de 12 ministérios e 25 agências - entre elas, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal. "Quando começamos eram apenas os Ministérios da Defesa e Justiça, mas foram percebendo a necessidade de agregar os outros setores", explicou o brigadeiro Machado.
As operações começam muito antes da chegada das Forças Armadas. Dois meses antes, Abin e Polícia Federal começam suas investigações. E, com a movimentação nas fronteiras, outra operação, a Sentinela, da Polícia Federal, é indiretamente beneficiada. Após a saída dos militares, os traficantes acham que estão seguros e voltam a agir às claras, prontos para os flagrantes da PF.
Professor, você pode trabalhar essa matéria, nas séries do Ensino Médio, enfocando o tamanho da nossa fronteira (associando o mapa do Brasil) e as dificuldades para a proteção, fiscalização e investigação. Promovendo um debate sobre o assunto em sala de aula.

Um comentário:

Blogger disse...

After doing some online research, I got my first e-cig kit at VaporFi.